Notícias

Covid-19: CNM e Senad alinham ações da Política Nacional de Cuidados e Prevenção às drogas

Quarta, 10 de junho de 2020.

10062020 ReuniaoDrogas02Com o objetivo de conhecer mais sobre os pontos da nova política sobre drogas que está sendo desenvolvida no Brasil, o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Glademir Aroldi e representantes da entidade estiveram reunidos com o secretário Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas (Senad), Quirino Cordeiro, e com o assessor da secretaria, Eduardo Cabral. A reunião, que foi incentivada pela plataforma da CNM, o Observatório do Crack, aconteceu por videoconferência nesta quarta-feira, 10 de junho,

Uma das mudanças apresentadas foi com relação às comunidades terapêuticas. “É importante que o gestor saiba que ele recebe recurso do governo federal e que tem à disposição vagas que pode usar para atender as pessoas do seu Município. Hoje são 11 mil vagas ofertadas e a ideia é chegar à 20 mil”, complementa o secretário. Quirino reforçou ainda que a nova política envolve o aumento de vagas disponíveis além da possibilidade de novas comunidades se credenciarem para que passem a ser financiadas.

10062020 ReuniaoDrogas05Durante a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) as comunidades terapêuticas estão sendo orientadas e estão abertas a receberem pessoas em situação de rua, incluindo os usuários de drogas. O presidente da CNM parabenizou a ação da secretaria, que interfere positivamente nos Municípios. “O primeiro passo nessa situação é levar o conhecimento aos gestores dessas comunidades que já estão conveniadas, além de informar a possibilidade de novas se conveniarem com o ministério”, ressaltou.

Trabalho com Assistência Social
Para que o trabalho seja desenvolvido da melhor forma possível durante a pandemia, a secretaria tem buscado trabalhar em conjunto com pastas de outras áreas da gestão municipal. Entre elas, a Secretaria Nacional de Assistência Social. Nós lançamos um documento que fala sobre o cuidado e assistência com a pessoa de rua. Ali colocamos dentro de um documento, pela primeira vez, a possibilidade de trabalho conjunto com as comunidades terapêuticas que é um serviço complementar que pode ajudar a rede de assistência social”, disse Quirino.

Para um acompanhamento completo, a Secretaria tem feito fiscalizações constantes com o objetivo de monitorar a incidência do vírus neste público. “Tivemos só quatro relatos de infecção - dentre as 11 mil vagas ofertadas - e não tivemos nenhuma morte. Estamos monitorando semanalmente, fazendo busca ativa. Lançamos também uma normativa dizendo que é obrigatório o registro de casos suspeitos e confirmados de coronavírus. Além disso, temos orientado que seja feita a quarentena das pessoas que chegam na entidade antes do convívio com os demais”, lembra o secretário nacional.

10062020 ReuniaoDrogasA ação da Confederação na área também foi apresentada pela consultora de Assistência Social, Rosângela Ribeiro, que lembrou que a entidade tem promovido reuniões com os gestores municipais com o objetivo de auxiliá-los especialmente no atendimento das pessoas mais vulneráveis. “Temos orientado os gestores, de modo técnico, no uso do recurso e na articulação com comunidades terapêuticas, mas o cuidado para que trabalhem no planejamento principalmente pensando no pós pandemia”, ressalta Rosângela.

O cuidado com o pós-pandemia é uma pauta que tem sido levantada também pelo presidente Aroldi. “Não vai esgotar nem amenizar imediatamente a situação. Por isso temos ressaltado a importância de conseguir canalizar recursos para essas ações. A área de assistência social vai ficar numa demanda muito grande. Por isso, precisamos planejar ações, conversar com ministério para que possamos amenizar a situação lá na ponta”, finaliza o presidente da CNM.

Participaram também da reunião o consultor da CNM Eduardo Stranz, e a responsável pelo Observatório do Crack na entidade, Mariana Boff Barreto.

Por: Lívia Villela
Da Agência CNM de Notícias