Notícias

Pesquisa aponta que sobe no Brasil o consumo abusivo de álcool por mulheres e idosos

Sexta, 06 de agosto de 2021.

DivulgacaoEm publicação do Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa), em análise inédita, foi apontado que, apesar de queda no consumo total de álcool e na taxa de óbitos relacionados à substância, há tendência de aumento em outros indicadores. O consumo total de álcool teve uma queda de 13% no país e existe inclinação à diminuição de óbitos atribuíveis à substância, segundo o estudo.

Contudo, esses números poderão ser insuficientes para que o Brasil possa atingir a meta global estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) de redução de 10% do uso nocivo do álcool até 2025. Isto porque o consumo abusivo e as internações entre mulheres e idosos apresentaram tendência de crescimento. O resultado está na análise inédita dos principais indicadores relacionados ao uso de álcool entre 2010 e 2019, apresentada na terceira edição da publicação Álcool e a Saúde dos Brasileiros – Panorama 2021.

O especialista e médico psiquiatra, Arthur Guerra, explica que com a pandemia e as restrições no país, a tendência é de piora. “Mulheres e idosos destacam-se como populações mais vulneráveis, não somente por serem mais sensíveis biologicamente ao álcool, mas especialmente pelas tendências preocupantes observadas ao longo de quase uma década. Trata-se de um cenário ainda mais desafiador no contexto da pandemia de Covid-19, quando observamos um aumento de consumo de bebidas alcoólicas associado a sentimentos como tristeza e ansiedade, mais frequentes entre eles”.

Apesar de não haver variações na tendência entre a utilização de álcool na população geral e entre os homens, existe uma propensão de aumento expressivo do uso abusivo de álcool entre as mulheres, com variação anual média de 3,2%, entre 2010 e 2019, chegando a 5% na faixa entre 18 e 34 anos.

Apesar da estabilidade entre a população geral em internações atribuíveis ao álcool, a tendência é de aumento com variação média anual de 1,9% entre as mulheres e de 1% entre os idosos, mas atingindo 2,1% entre as mulheres de 55 anos e mais idade.

O Estado de São Paulo foi indicado como sendo onde as mulheres aumentaram mais o consumo de álcool, com variação média anual de 6,1%, porém há cenários diferentes na totalidade do país. Já no caso de internações, o Distrito Federal e mais dez estados superam a tendência nacional da população feminina, chegando a uma variação média anual de 7,8% no Piauí, por exemplo.

Para baixar o arquivo, clique aqui

Da Agência CNM de Notícias